Almost blue, 2020
Vídeo HD, cor, som, 5'26'' (loop)
Dimensões variáveis


Em Almost blue (2020) vemos uma paisagem sem começo ou fim determináveis. Um fumo branco invade a imagem, mas há um momento em que, por segundos, tudo se torna quase azul. É nesse momento que se ouve Chet Baker a entoar “almost blue”, uma passagem da música Almost Blue (1987), um original de Elvis Costello que fala sobre o desencontro numa metáfora que vai muito além do amor. Diante da impossibilidade de um encontro com o desejado, no “quase", esta letra reflete a condição humana no caminho da incerteza e da descrença. E ninguém melhor do que Baker, no final de sua vida e quando sua voz já se encontra muito alterada, para interpretar esta música. Nesta versão Baker canta apenas parte da letra original: “Almost blue / Almost doing things we used to do / There’s a girl here and she’s almost you / Almost / All the things that your eyes once promised / I see in hers too / Now your eyes are red from crying / Almost blue / Flirting with this disaster became me / It named me as the fool who only aimed to be / Almost blue / Almost touching / It will almost do / There is part of me that’s always true / Always / All the things that your eyes once promised / I see in hers too / Now your eyes are red from crying / Almost you / Almost me / Almost blue.” Ao longo de toda a duração do vídeo pode ouvir-se o som atrasado da parte instrumental desta música tocada a trompete por Baker. Este retardamento converte o som num som abstracto, sem direção.


Vistas de Almost blue na exposição J'avale la vague qui me noie le soleil de midi na Fundação Leal Rios (2021)

© 2021 AnaMary Bilbao – Todos os Direitos Reservados