AnaMary Bilbao é artista residente no International Studio & Curatorial Program - ISCP (Nova Iorque) com o apoio da FLAD. Em 2021 foi nomeada para o Prémio FLAD Desenho (1ª Ed.) e em 2019 para o Prémio Novos Artistas Fundação EDP (13ª Ed.). Entre Outubro de 2015 e Outubro de 2019 recebeu uma bolsa de doutoramento da FCT, que lhe permitiu fazer investigação de campo em Joanesburgo (África do Sul), em 2018, e frequentar o departamento de Film, Media and Cultural Studies em Birkbeck - Universidade de Londres (Reino Unido) entre 2018 e 2019.


O seu trabalho tem abordado o tempo dentro das suas implicações históricas, culturais e existenciais e numa tentativa de questionar a lógica antropocêntrica que impõe a aceleração como ritmo natural e o entendimento do digital como aproximação ao real. Por esta razão, nas suas obras existe uma forte manualidade e uma proximidade com o analógico, sendo que o digital é quase sempre introduzido em diálogo que este último. Atualmente, AnaMary Bilbao articula diferentes tipos de suportes, não só o desenho ou a fotografia, mas também imagem em movimento e som. Através da conjugação destes elementos, procura dar início a narrativas que contrariam a ideia de verdade única. Como a artista afirma, nas suas obras «a perda contida nas fissuras e rasuras é a oportunidade que permite o espaço para a dúvida, o espaço livre de onde tudo pode despontar, porque não há verdade de antemão, só conexões e interrupções - uma obra nunca se encerra em si mesma».

Expôs o seu trabalho recentemente na Paris Photo / Curiosa (Paris), no MAAT – Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia (Lisboa), na Arco Madrid / Opening (Madrid), Galeria Zé dos Bois / Novo Negócio (Lisboa), Fundação Leal Rios (Lisboa), Fundação PLMJ (Lisboa), no Toronto Convention Centre (Toronto), MACE - Museu de Arte Contemporânea (Elvas), na Galeria Boavista - EGEAC (Lisboa) e na Cristina Guerra Contemporary Art (Lisboa), entre outros.






© 2022 AnaMary Bilbao – Todos os Direitos Reservados